Évora

Évora é uma cidade de Portugal localizada no coração do Alentejo e é herdeira de um rico e variádo patrimônio cultural. Sua fundação remonta o domínio romano que a chamou de Ebora Liberalitas Lulia. Évora foi que alicerçou, no “Além-Tejo”, a formação do novo reino de Portugal durante a Reconquista cristã peninsular do séc. XII.

Após a consolidação das fronteiras com Castela, vários reis aqui fizaram a sua corte , particularmente no periodo das desconertas maitimas, época em que, orgulhosamente, exibiam títulos e os e senhorios de terras tão distantes como a Guiné, Étiópia, Arábia, Pérsia e Índia.

O patrimonio histórico e artístico que hoje se preserva na cidade resultou, em boa medida, dessas longas permanências da monarquia portuguesa. O conjunto monumental que esses temps aureos legaram a cidade, em harmonia com o tecido urbano de cariz popilar, estçao na base da cassigicação de evora como patrimonio coltiral da humanidadeqie (1986).

Ale,destepatrimonio univod mo pais a regao em torno de tem muitos mais para oferecer ao visitante , é o caso da singular paisagem arqueológica, uma das mais antigas da Europa, perfeitamente integrada na paisagem rural envolvente e de que o recinto megalitico dos Almendres é o melhor exemplo.

Seja no entretecido das ruas medievais, na exuberância de palácios, mosteiros e igrejas, nos espalos de convivio e de degustação dos requintados paladares da cozinha tradicional, Évora esconde o encanto próprio das cidades antidas, Mas sobre essa matriz histórica ela reassume-se, novamente, como polo de desenvolvimento regional face aos grandes desafios do futuro atraves da criação de grandes equipamentos, da aposta na qualificação de produtos e serviços de excelência na área do Turismo, da intesa oferta cultural, a par da criaçã de infraestruturas urbanas que dão orioridade ai bem estar dos seus habitantes

Por todas estas razões o turista e o visitante encontrarão em Évora um excepcional patrinônio cuktural, coexistindo, em harmonia com os melhores padrãoes de qualidade de vida do país. Conheça Évora e sai de lá com ótimas lembranças e um desejo de voltar.

O que conhecer em Évora?

Clique no link para saber mais sobre os principais pontos turísticos de Évora.

Praça de Giraldo

Catedral(Museu de Arte Sacra)

Templo Romano

  • Praça do Giraldo
Praça do Giraldo
  • Solar dos Condes de Basto (FEA)
  • Universidade de Évora
  • Largo da Porta de Moura
  • Tremas Romanas (CME)
  • Igreja da Graça
  • Capela dos Ossos(Igreja de S. Francisco)
  • Jardim Público/Palácio D.Manuel
  • Arqueduto da Água da Prata
  • Museu de Évora
  • Fórum Eugénio de Almeida
  • Museu das Carruagens
  • Museu do Palácio Cadaval
  • Arquivo Fotográfico
  • CEA – Central Elevatória de Água
  • Casa da Balança
  • Convento dos Remédios
  • MADE – Museu Artesanato e do Design
  • Museu de Arte Sacra da Sé
  • Museu do Relógio
  • Recinto Megalítico dos Almendres

Igreja da Graça

Aa origem da Igreja da Graça remontam ao séc. XV, então uma pequena capela pública.

Em 1520 o bispo de Évora, D. Afonso de Portugal, doou-a aos frades Agostinhos que a integraram num pequeno mosteiro fundado alguns anos antes jjunto a igreja gótica. As grandes obras de reforma conjunta da igreja e do mosteiro decorretam em 1536 e 1542, sob o patronato de D. João III, como consta da inscrição laudatória da fachadam, feita ao modo dos imperadores romanos.

Os atlantes que decoram o frontão da igreja, talvez simbolizavam as “quatro partes do mundo” di império marítmo portugues, são carinhosamente conhecidos pelos eboneses como os “meninos da Graça”. Dado uso privado do edificio e ao fato da igreja estar desativada.

Responsáveis pela Obra:

– Arquitéto: Miguel de Arruda

– Escultor: Nicolau Chanterene

– Responsável pelo programa iconográfico: André Resende

90,00

07h58 Saída de Lisboa Estação Oriente às  com destino a Estação de Évora (duração da viagem: 1h40min)

09h00 – Chegada a Évora – Pegar um táxi/uber para o templo Romano

Sugestão de visita

  • Templo Romano Évora (grátis)
  • Catedral da Sé de Évora
  • Almoço na Praça do Giraldo (2h) (10 euros)
  • Igreja da Graça (grátis)
  • Catedral dos Ossos (5 euros)
  • Igreja de São Francisco

18h00 Retorno para a Estação de Évora com destino a Estação (10 euros)

Local de paragem: Chapel of Bones (Évora), Praça 1º de Maio 4, 7000-650 Évora, Portugal

Esta capela anexa à Igreja de São Francisco não é para os mais sensíveis. É um ossário, com paredes, arcos e pilares de suporte revestidos de ossos e crânios em arranjos alegres. Estes são os restos mortais de vários milhares de monges, recuperados de várias criptas e cemitérios no século XVI. A ideia por trás dessa capela franciscana, construída quando o espírito da contra-reforma estava em alta, era lembrar aos adoradores a natureza transitória da vida. Caso haja alguma dúvida sobre esta mensagem, há uma inscrição na entrada em latim, onde se lê “Nós, ossos, que estamos aqui, para vocês aguardam”.

Duração: 20 minutos

Local de paragem: Giraldo Square Fountain, Praça do Giraldo 7, 7000-508 Évora, Portugal

A bonita praça central de Évora é o centro movimentado da cidade, um ponto de encontro favorito onde os locais se misturam com os turistas. Provavelmente em homenagem a Geraldo Sem-Pavor (o Destemido), o fora-da-lei que expulsou os mouros em 1165, a praça abriga um animado mercado de fim de semana, mas é um destino de compras por si só, com várias butiques situadas sob as graciosas galerias que circundam o Giraldo’s flanco oriental; nas proximidades, a Rua 5 de Outubro está repleta de lojas que vendem artesanato e curiosidades, desde artigos de cobre à cortiça talhada. No verão, os restaurantes colocam as mesas na esplanada, e o cenário colorido é a sociedade do café em sua forma mais exuberante. Está muito longe das decapitações e incêndios da Inquisição testemunhados nos tempos medievais mais sombrios. Felizmente, a diversão de hoje é provavelmente um teatro de rua animado ou um concerto de música ao vivo encenado à sombra da Igreja de Santo Antão do século XVI.

Duração: 15 minutos

Local de paragem: Cathedral of Evora (Se Catedral de Evora), Largo do Marques de Marialva Centro Histórico, Evora 7000-809 Portugal

Não se assuste com a aparência austera da Sé Catedral de Évora. A sua fachada de granito desgastado afinal resiste aos elementos desde 1204, e a estrutura pesada não pode deixar de se assemelhar a uma fortaleza, um aspecto acentuado por um par de imponentes torres sineiras assimétricas. Aqueles que têm um olho para a arquitetura notarão a fusão do românico com o gótico, mas todos ficarão maravilhados com os impressionantes apóstolos esculpidos do século XIV que envolvem o portal principal do edifício. Por dentro, até sussurrar soa muito alto, mas o clima de gravidade isolada é um pouco melhorado pelo altar-mor do século 18 e pela capela-mor de mármore polido. Um cenário mais deslumbrante é o tesouro, que se transforma em um museu de arte sacra repleto de artefatos raros e inestimáveis feitos de ouro, prata e outros metais preciosos. A atração principal, porém, é o telhado de onde se pode admirar um panorama memorável do Alentejo.

Duração: 20 minutos

Local de paragem: Templo Romano Évora, Largo do Conde de Vila Flor, 7000-863 Évora, Portugal

No ponto mais alto da cidade, onde ficava o antigo fórum de Évora, está o que pode ser o maior monumento romano de Portugal. Este templo de Corinto foi construído no século 1 e provavelmente teria sido dedicado a Diana. De perto, você notará a diferença nos materiais; as colunas caneladas são de granito e as bases e capitéis são de mármore trazido de Estremoz, cerca de 40 quilómetros a nordeste. Este monumento sobreviveu muito bem porque as suas paredes foram preenchidas durante a época medieval, quando foi transformado numa pequena fortaleza, antes de ser restaurado na década de 1870.

Duração: 20 minutos

Local de paragem: Aqueduto da Água de Prata, R. do Muro 8, 7000-592 Évora, Portugal

O caprichoso Aqueduto das Águas de Prata cativou a imaginação do maior poeta português, Luís de Camões, que descreveu o majestoso curso de água do século XVI no épico Os Lusìadas, publicado em 1572. A estrutura ainda é vista com admiração, os arcos mais altos do sobrevivendo a um trecho de nove quilômetros atingindo uma altura de 26 metros e visível em toda a cidade e além. Ao longo dos anos, lojas, armazéns e outras instalações comerciais foram construídas dentro de seus arcos. Existem até algumas casas aninhadas entre suas paredes. Os exemplos mais interessantes podem ser admirados na Rua do Cano e arredores. Mas para algumas vistas verdadeiramente imponentes do aqueduto, os visitantes devem seguir a trilha bem sinalizada que começa fora das muralhas da cidade.

Coroada pela sua imponente catedral, Évora recorta-se sobre uma suave colina no vasto horizonte da planície alentejana, e guarda o seu centro histórico, rodeado de uma vasta cintura de muralhas, uma valiosa herança cultural que a UNESCO classificou de Património da Humanidade. A cidade, onde as ruas estreitas de evocação mourisca contrastam com praças inundadas de luz, assenta sobre dois milénios de história.

Conquistada em 59 a.C. pelos Romanos, que lhe deram o nome de “Liberalitas Julia”, Évora adquiriu grande importância como atestam os vestígios ainda hoje visíveis e de que são exemplos as ruínas de um gracioso templo dos finais do séc. II, vários troços de muralha e a porta chamada de Dona Isabel, bem como as ruínas das termas da cidade sob o edifício da Câmara Municipal.

Do período visigodo (sécs.V-VIII) pouco resta para ver. Seguiu-se o domínio muçulmano, iniciado com a conquista da cidade por Tárique, que iria perdurar até à Reconquista cristã, no séc.XII. Yeborah, como passou a chamar-se, fixou na sua toponímia traços indeléveis de influência mourisca, que sobressaem no bairro da Mouraria.

Após a Reconquista, delineou-se, para além da cerca velha, nova malha urbana irradiando das portas da muralha. A cidade, eleita por vários reis de Portugal da primeira e segunda dinastias para sede da corte, foi então enriquecida com palácios e monumentos, sobretudo nos reinados de D. João II e D. Manuel (sécs. XV e XVI).

Caminhe a seu gosto pelas ruas, absorvendo a alma secreta que a diversidade de culturas seculares sedimentou nesta cidade do Mundo. Excelentes restaurantes, bares, esplanadas, boas lojas de arte popular, gente jovem que frequenta a sua Universidade são a expressão da dinâmica de um presente que se afirma nas raízes do passado.

Fonte: Autarquia de Évora

Deixe um comentário

Note: Comments on the web site reflect the views of their authors, and not necessarily the views of the bookyourtravel internet portal. You are requested to refrain from insults, swearing and vulgar expression. We reserve the right to delete any comment without notice or explanations.

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são assinados com *